quinta-feira, 25 de novembro de 2010

MAPA

Nascer é a primeira grande vitória, mas se não continuarmos a vencer ela facilmente transfigurar-se-á em derrota, a maior e mais proeminente derrota. Pode-se objectar dizendo-me que a morte, essa sem dúvida é a pior e imensa queda, além de frustrante visto – salvo raras lamentáveis excepções – consitir numa inexorabilidade, injustiça e incontrolabilidade indubitável. Respondo afirmando que tudo aquilo que não é já vida, mas o fim desta, é uma simples contingência da nossa natureza, enquanto que quando em vida só nós próprios impossibilitar-nos-emos, seja por voluntarismo ingénuo, seja por pura incapacidade, seja, pior ainda, por repudiosa inércia e execrável ócio, de vencer continuamente.
Entendo as nossas limitações como penso todos nós entendemos, se não entendem começa desde aí o erro e o princípio para a derrota eterna; conheço também todas as nossas virtudes enquanto homem, tal significa que conheço bem a terra que piso, no entanto avisto frequentemente o céu que me vai pairando. Por isso, o ser humano olha para os seus pés, para a terra que os sustenta e interpreta subjectivamente - porque todos apesar de homens somos acima de tudo sujeitos – qual os passos limitativos e sinuosos do caminho a percorrer, para que depois de interpretados possa aí sim iniciar a sua caminhada já de cabeça erguida para o céu, o mesmo é dizer, para a vitória. Quero com isto demonstrar que, porventura, não alcançaremos o céu, não voaremos, não ganharemos asas, é essa uma das nossas físicas limitações; contudo, como seres pensantes voamos com asas ainda bem mais belas e eficazes, e no percurso que aceitamos e escolhemos explorar, as vitórias são conseguidas etapa a etapa, estrada a estrada: todas elas são vitórias. Parar, perdermo-nos no mapa que de antemão delineamos são sintomas de derrota. Sentir que em breve pararemos ou que nos perderemos são sintomas derrotistas, que apenas levam ao porto da derrota. Vencer caminhando só se conseguirá pensando que estamos a vencer, que continuaremos a vencer e que qualquer contratempo não passa disso, um contratempo, resolúvel com mais uma e outra, e mais outra revisão do mapa.
Estejamos, todavia, alertados para a presunção, ilusão, arrogância e maldade. Nada atingiremos sem uma dose, mais do que significativa de realismo, sem que se confunda realismo com pessimismo e resignação; nada atingiremos às cavalitas de outros, nem de nós próprios: não sejamos mais do que aquilo que somos verdadeiramente em cada ocasião e situação, não sejamos menos do que aquilo que somos verdadeiramente em cada ocasião e situação e, não sejamos medíocres e maldosos para com os que nos rodeiam porque no fim a taça estará nas nossas mãos, mas esta em vez de ouro será de um qualquer metal bem rasca sem qualquer valor. Pior, a vitória saberá a derrota pois ganhar à custa de outros é desviarmo-nos para uma outra estrada: a da perda de personalidade e identidade. Não é isto que deve ser entendido como vitória, compreendo a vitória como uma superação constante de novos desafios, insisto, olhar para o mapa desenhado a nossa gosto depois de minimamente conhecer o mundo, e dentro do possível profundamente a nós próprios, e assim assinalar todos os pontos do mesmo que fomos passando, e quaisquer outros que ainda possamos ao longo do tempo desenhar. O mapa é infinito, a nossa vida não. O nosso corpo é contingente, a nossa razão dizem que sim, mas os sonhos, desejos e vontades absolutas que racionalmente nos vamos cercando são ilimitados. Pois bem, é nisso que consiste o mapa. Pois bem, a vida consiste em ganhar. Como? Desenhando-o (o mapa), percorrendo-o, desenhando mais sempre que atingidos os pontos fulcrais, e assim sucessiva e continuamente.
O homem nasce da vitória festejando o seu nascimento com gritos e grande aparato, e, não obstante morrer - sendo que essa é uma tremenda derrota da natureza –, é nosso dever fechar os olhos para a eternidade com uma sensação silenciosa e emocionada de vitória. Honremos o que somos, trabalhemos para ganhar não só durante toda a vida mas também no momento da morte com um último pensamento suspirante: “Venci!”.

25/11/201

Sem comentários: