sábado, 2 de outubro de 2010

Trago Comigo

Trago comigo

o azedo,

o medo de cedo ou tarde

encontrar alguém cobarde.

Trago comigo

para não mais esquecer

o que hoje estão a fazer,

morder de revolta apenas e somente

para não me esquecer.

É essencial que num corral de porcos

um seja mais porco do que o outro.

Trago comigo

a paz de espírito;

Trago comigo

a alegria de ser como sou,

o que passou passou,

quem entrou também sairá.

Para lá!,

onde encontrará o erro e a solidão,

o desprezo e a a mão que não existirá,

o apoio que desaparecerá.

Trago comigo

a desilusão que o meu coração cegou

mas a minha razão curou.


7-06-2005


Bruno do Mar

1 comentário:

Adriana disse...

Porque é que alguem não inventa uma musica bonita para combinar com estas palavras?!