sexta-feira, 11 de junho de 2010

Da Noite Dia

Um dia

consegui com que a noite fosse dia.

Um dia

o Sol voltou a brilhar porque

alguém me fez apaixonar.

Um dia

não de azar fizeste-me brilhar

com o teu brilho.

Um dia

como que por magia fizeste-me

sentir algo que antes não sentia.

Um dia

no escuro intenso e florescente

de uma dança,

a minha balança deixou de descair.

Um dia

beijei-te e fizeste-me rir.

Fiz-te rir.

Um dia

tudo continuou

ainda bem que nunca terminou.

Nem vai terminar.

Porque amar um dia,

é amar até jamais se cansar.

Um dia

partilhámos experiências pioneiras,

inteiras de felicidade, da tua beldade,

da minha bondade, da nossa privacidade,

proveniente da nossa amizade.

Um dia

também sofremos,

e vivemos tristes momentos,

que os ventos do norte os pode levar,

lá para bem longe, lá para além mar.

Um dia

superámos cedo o nosso medo.

*

Um dia

não nos iremos perder de ser

o mais bonito ser num só ser.

Um dia nós os dois continuaremos juntos

porque é o destino, e é muito bem-vindo.

Um dia

já não será um dia,

mas para sempre sem a força da palavra

sempre.

Um dia

é hoje, ontem e amanhã,

um dia somos nós.

Um dia

são pedidos de desculpas

e declarações de amor.

Um dia

é a verdade e não a mentira,

é a sinceridade e não a hipocrisia.

Porque um dia,

quero que seja o nosso dia.

Intemporal.

Um dia

partiremos num barco,

aos deslizes como todos,

para ancorarmos e sermos

finalmente felizes.


18-05-2005

(Poema bem antigo, escrita bem diferente da que hoje me caracteriza - julgo eu)

Sem comentários: