sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Por detrás do Espelho




A luz da vela que incendeia o meu espírito mantém-se simetricamente acesa, uma simetria que os meus olhos não conseguem acompanhar. Pudera eu ser uma chama que não se apaga e que constantemente ilumina quem está ao seu redor. Por vezes, exteriormente escureço-me, reflecte muito pouco do que existe atrás do espelho. Aí o fogo consome tudo o que existe para consumir, semelhante a um presumível inferno onde ninguém entra a não ser eu. O meu inferno particular de onde não posso sair, e que tanto segue os escritos da bíblia como os contraria, acabando por ser aqui e acolá muito reconfortante e poderosamente motivador.

Sem comentários: