domingo, 9 de março de 2008

Entretanto...

Se entretanto não houvesse entretanto, o desenvolvimento seria reversível e a conclusão imediata. A paciência do por enquanto impacientemente se concretiza de uma forma, por vezes obrigatória para que a vida possa descansadamente seguir o seu curso normal.
O que quero com isto dizer é que o rio referido por Ricardo Reis nas suas "Odes" poderia muito bem e convenientemente ser o mar; escolho sem hesitar, um segundo que seja, o formar e o rebentar das ondas, o repentismo e o imediato, a tranquilidade e o silêncio das noites marítimas calmas e o inverno ruidoso e bravio das tardes à beira mar.
Concordo e custa-me admitir, pratico a ociosidade sentimental de Reis, por basicamente falta de alternativa. Busco a Sereia que mergulhe de cabeça, vindo à superfície logo após, agarrando nos seus cabelos molhados que em bloco se grudam caprichosamente no pescoço e nas costas numa imagem perfeita do auge da natureza. Como na longa metragem "A Cidade Dos Anjos", a vida não é muito mais do que sentido mergulho no mar antigo, e a nossa vida não é muito mais do que as outras pessoas queiram que ela seja. Venho-me deparando com animais que vivem em margens fluviais alimentando-se do rio que vêem passar, sabendo de antemão que este o levaria a desaguar no mar.
Contudo, continuam e persistem em darem-me as mãos, prendendo-me nas suas vidas sedentárias que partilho. Quero fugir e não consigo. Onde está a sereia que tem o poder de fazer da minha vida o que eu quero que ela seja ? Anseio pelo bem-dito encontro entre os nossos corpos unidos contra o rebentar de uma onda. Quando voltarmos à superfície estaremos apaixonados: um pelo o outro, cada um pela sua vida.
Entretanto, entretanto ?! Entretanto a corrente passa por mim com um até já de esperança.

11/01/2008


Nota: Se a influência externa em nossas vidas, nos nossos caminhos é tão significativa não nos poderemos fechar dentro da nossa alma; O remédio sempre temporário será analisarmos o exterior - o nosso, não o exterior comum mas sim o exterior de cada um.
Acredito que sim : a escolha moderada, reflectida e ponderada das pessoas com quem nos envolvemos num qualquer tipo de relação originará um encontro mais facilitado e bem sucedido das estradas desejadas que cada um de nós planeia percorrer até atingir o seu destino.

1 comentário:

Elektrik_Girl disse...

Entetanto...continuas a sonhar =D
Gostei muito deste texto, e a vida é constituída de "entretantos", identifiquei-me e muito, principalmente com a última parte, a da escolha ponderada e moderada. Não é poo acaso que nascemos no mesmo dia e mês. E também gosto muito de Ricardo Reis, como não
ao poderia deixar de ser. Pessoa so poderia ser uma referência para pessoas como nós. Aprovadíssimo =D